domingo, 28 de julho de 2013

Vão


Fervilho pensamentos.

A cada sintoma da doença que nos acomete,
passo dado ao lado oposto.
A cada palavra pontiaguda proferida,
hemorragia de lágrimas.

Estamos fadados ao fracasso, minha razão afirma.
Estamos caminhando sozinhos, embora lado a lado.
Estamos perdendo, estamos perdendo, estamos...

Sofreremos, meu amor, toda a sorte submergida.

Um comentário:

  1. Desde antes mesmo de tudo começar, nós podemos prever o que a sorte e o que o azar podem nos trazer durante essa aventura em que nos jogaremos.
    Mas, por ser inevitável a vontade, seguimos em frente e colhemos toda sorte que se pode imaginar e, também, toda aquela que nunca imaginamos.
    Mas um dia o azar joga suas cartas. Enfim o que havíamos previsto acaba se confirmando como uma verdade fatal.

    No entanto, o que seria da sorte se não fosse o azar? Que valor teria um sorriso, se não fossem as lágrimas? O que seria da saudade, se não fosse a distância?

    No fim, nós amadurecemos. Sempre amadurecemos. Mas não significa que as próximas escolhas serão melhores.

    ResponderExcluir